Sistemas digitais agilizam recursos e reduzem custos nos hospitais

jornal - Copia

Saem os prontuários com letra de médico e as pastas com fichas de pacientes, entram os documentos com assinatura digital e os bancos de dados virtuais.

Em alguns hospitais espalhados pelo país, rotinas “analógicas”, como checagem de medicação e registro de pacientes, já foram transportadas para o digital.

No Real Hospital Português de Beneficência, em Pernambuco, por exemplo, um sistema único desenhado pela área de tecnologia da informação permite que, desde a entrada do paciente na instituição, todos os seus movimentos sejam monitorados.

Prontuários e exames são visualizados on-line. Quando o médico solicita um remédio, o pedido chega à farmácia, a enfermagem é notificada e a conta já vai para o paciente ou plano de saúde.

“É tudo interligado. O sistema monitora horários de medicação, tempo de atendimento e processos administrativos, como solicitação de equipamentos”, diz Ademir Novais, gerente de tecnologia da informação da instituição.

De seis anos para cá, quando a ferramenta passou a funcionar mais amplamente, o faturamento do hospital cresceu 300% e aumentou em 40% o número de atendimentos emergenciais realizados. O tempo para a liberação de um leito caiu de seis horas para uma hora e 20 minutos.

“A informatização evita telefonemas, caminhadas incessantes entre setores para localizar dados, reduz custos com papel e filmes radiográficos e nos libera para prestar mais atenção no paciente e menos na papelada”, afirma Petrus Silva Costa, coordenador de emergência geral do hospital.

Ainda no Nordeste, a rede Hapvida é uma das pioneiras no uso da biometria para identificar pacientes e funcionários.

O sistema foi implementado em 1997 para tentar reduzir fraudes. Deu tão certo que a instituição resolveu adotar, mais recentemente, prontuários digitais unificados para toda a rede, além de uma ferramenta para o agendamento de consultas on-line, totens de autoatendimento e até aplicativos para celular em que o usuário pode acompanhar resultados de exames e marcar procedimentos.

“Se o paciente não quiser, nem precisa falar com um atendente”, diz Tarciso Machado, superintendente de tecnologia do Hapvida.

Nos últimos três anos, a rede conseguiu diminuir em 20% o tempo de espera nos ambulatórios. Caiu também o número de consultas e exames.

Para a vendedora Raquel Ferreira, 28, paciente do Hapvida há cinco anos, a tecnologia só trouxe vantagens.

“Não tenho que levar mais aqueles envelopes de exames nas consultas e posso marcar tudo pelo computador.”

 

TEXTO DE JULIANA VINES
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA.

VI Fórum de Integração Jurídica – Brasilia-DF

A Doc Film esteve presente em mais um evento realizado na sexta-feira (22/05), a Associação dos Notários e Registradores do Brasil (Anoreg-BR) realizou o VI Fórum de Integração Jurídica, em parceria com a Ordem dos Advogados do Brasil do Distrito Federal (OAB-DF), do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), por meio da Escola Nacional de Notários e Registradores (ENNOR), Escola Superior de Advocacia (ESA) e Escola de Direito Público (EDP), no Royal Tulip Brasília Alvorada, em Brasília-DF.

ANG_0489Forum